José Cruz: CBF transforma em rotina contratos suspeitos
16/05/2019 11:21 Fonte UOL

A divulgou que "o Grupo Ecotonian, anunciado pela CBF como parceiro da empresa Sport Promotion em um consórcio para exploração de placas de publicidade do Campeonato Brasileiro, possui laços em paraísos fiscais".

Com quarenta dias de antecedência, o mesmo jornal antecipou que esse grupo venceria a concorrência. Ou seja, jogo viciado e combinado, tudo acertado para driblar o VAR da transparência e os fiscais que combatem a corrupção no esporte. Temos isso?

Esse tipo de notícia já é rotina e passa despercebida do torcedor que sustenta a fenomenal máquina financeira do futebol. Mas esses atos suspeitos passam ao largo, principalmente, das autoridades de governo, quem sabe também envolvidas pelas emoções que o jogo da bola impõe.

Para que os raros leitores entendam melhor essas práticas, recupero uma informação de 2006 que justifica a expressão "rotina". À época, o então presidente Ricardo Teixeira fechou acordo sigiloso com o Dallah Al-Baraka Group, para vender os jogos da seleção brasileira por dez anos. A sede da tal empresa era em George Town, paraíso fiscal das Ilhas Cayman. E o endereço, acredite, era uma caixa postal...

Esse fato foi revelado na CPI do Futebol, em 2015, pelo jornalista . Ao final, o presidente da CPI, senador Romário, escreveu em seu relatório alternativo:

"Estava claro como a CBF leiloou a seleção brasileira, recebendo em troca alguns milhões de dólares, além de comissões de agentes e de empresas em paraísos fiscais, operações fechadas longe do controle da Receita Federal Brasileira".

Naquela ocasião, a CPI não teve acesso aos contratos da CBF, pois a cartolagem foi à Justiça e barrou a investigação sobre as suas estranhas relações financeiras, apesar das evidências de frequente sonegação fiscal. E, reparem, esses "negócios" tinham como produto principal a seleção brasileira de futebol!

E tudo isso era realizado sem que as autoridades nacionais de fiscalização e de combate à sonegação fiscal "perturbassem" os intocáveis cartolas.

Não é demais relembrar que as punições a que foram submetidos os ex-presidentes da CBF, José Maria Marin, Ricardo Teixeira e Marco Polo Del Nero, vieram de entidades internacionais. Marin foi condenado por corrupção e ainda cumpre pena nos Estados Unidos; Del Nero e Teixeira, banidos do futebol pela Fifa, estão exilados no Brasil. Salvos e seguros.

Não é uma beleza?

Notícias relacionadas
Dybala faz apelo sobre as queimadas na Amazônia: “Todos têm que fazer algo” 22/08/2019 16:13 "A Amazônia não é apenas da América do Sul, é de todos. Sua floresta é os pulmões da terra, eles dão 20% do oxigénio ao nosso planeta. É a floresta de todos e o nosso futuro está queimando, todos vocês têm que fazer algo #PrayforAmazonas", escreveu o joga(...) Fonte: UOL
Kompany deixa de ser treinador e jogador ao mesmo tempo 22/08/2019 14:57 Com dois empates e duas derrotas no período em que Kompany trabalhou simultaneamente nas funções, o Anderlecht registrou o pior início no Campeonato Belga nos últimos 21 anos. A partir de agora, o veterano atuará somente dentro das quatro linhas.(...) Fonte: UOL
“O São Paulo, quando chega, é problema”, crava Muricy Ramalho 22/08/2019 14:00 "Um grande como o São Paulo, que tem história em Campeonato Brasileiro, quando chega, é problema. Está com muita confiança. Além de tudo, contratou um grande líder, que é o Daniel, que está fazendo a diferença", falou o ex-técnico.(...) Fonte: UOL
Comentários